Mundo

2022: os principais acontecimentos astronômicos do ano

2022 promete para os pesquisadores e entusiastas da área

A chuva de meteoros ‘Quadráticas’ é um dos eventos astronômicos mais aguardados de 2022 pelos aficionados pelo céu. O primeiro evento do ano será visível a olho nu e poderá ser observado em Mato Grosso do Sul até 4 de janeiro.

De acordo com a Organização Internacional de Meteoros, o horário exato da atividade máxima da chuva será 20h40 GMT, ou seja, 16h40 . Porém, o pico deve durar ao menos 4 horas, então assim que o sol se pôr será possível acompanhar o fenômeno.

Meteoro

Meteoro, popularmente chamado de estrela cadente, é um fenômeno que se caracteriza pela passagem de um meteoroide pela atmosfera terrestre. Meteoroides, por sua vez, são fragmentos de cometas ou asteroides, que se desprendem desses corpos celestes e ficam vagando pelo espaço em órbitas em torno do Sol.

Primeiro trimestre

3 e 4 de janeiro – Chuva de meteoros Quadrântidas

A chuva de meteoros Quadrântidas acontece anualmente nos cinco primeiros dias do ano. Em 2022, seu pico será na madrugada do dia 3 para 4 de janeiro.

Seus meteoros irradiam a partir da constelação de Boieiro, no hemisfério celestial norte. Cientistas acreditam que a chuva tenha origem em grãos de poeira deixados para trás por um cometa extinto conhecido como 2003 EH1, descoberto em 2003.

Segundo Trimestre

22 e 23 de abril – Chuva de meteoros Líridas

A chuva de meteoros Líridas acontece anualmente entre os dias 16 e 25 de abril. Em 2022, seu pico será na madrugada do dia 22 para 23 de janeiro.

Como o nome sugere, os meteoros partem da constelação de Lira. Nesta noite, o que veremos no céu são partículas de poeira deixadas pelo cometa C/1861 G1 Thatcher, descoberto em 1861.

30 de abril – Eclipse solar parcial

O eclipse solar parcial, como o nome sugere, ocorre quando a lua cobre apenas uma parte do Sol. Neste caso, não é indicado olhar diretamente para a estrela, mas sim para o seu reflexo.

O fenômeno será visível em quase todo o sudeste do Oceano Pacífico e no sul da América do Sul. Na Argentina, será possível ver o satélite cobrir pouco mais da metade do Sol.

6, 7 de maio – Chuva de meteoros Eta Aquáridas 

A chuva de meteoros Eta Aquáridas ocorre anualmente de 19 de abril a 28 de maio. Neste ano, seu pico ocorrerá na madrugada do dia 6 para 7 de maio.

Os meteoros, produzidos pela poeira deixada pelo cometa Halley, irradiam da constelação de Aquário.

Os países do hemisfério sul têm vantagem em sua observação, podendo ver até 60 meteoros por hora em seu pico. O número cai pela metade no hemisfério norte.

16 de maio – Lua de Sangue

A Lua de Sangue nada mais é do que o eclipse total da lua. Ela ocorre quando o satélite fica completamente encoberto pela sombra da Terra, ficando ao mesmo tempo escuro e avermelhado.

O eclipse será visível em toda a América do Norte, Groenlândia, Oceano Atlântico e partes da Europa Ocidental e da África Ocidental.

14 de junho – Superlua

A Superlua ocorre quando o satélite está em sua fase cheia e no ponto mais próximo possível da Terra. Essa combinação de fatores nos dá a impressão de que a lua está maior e mais brilhante. Três Superluas são esperadas para 2022.

Esta primeira era conhecida por nativos americanos como Lua do Morango, pois sinalizada a época do ano em que eles poderiam colher os frutos maduros.

Terceiro trimestre

13 de julho – Superlua

Aqui chegamos a segunda Superlua do ano. No passado, ela foi chamada por nativos americanos como Lua do Bode, pois marcava a época em que os chifres dos animais machos começavam a se desenvolver.

28, 29 de julho – Chuva de meteoros da Delta Aquáridas

A chuva de meteoros Delta Aquáridas acontece anualmente entre os dias 12 de julho e 23 de agosto. Em 2022, seu pico será na madrugada do dia 28 para 29 de julho.

Os meteoros irradiam da constelação de Aquário. As estrelas cadentes que veremos são produzidas por detritos deixados pelos cometas Marsden e Kracht.

Este ano, a chuva de meteoros vai acontecer durante a fase de lua nova, o que é positivo para os observadores, já que o céu estará bem escuro.

12 de agosto – Superlua

Chegamos a terceira e última Superlua do ano. Como as anteriores, ela também recebia um nome especial pelos nativos americanos. Essa era a Lua do Esturjão, uma homenagem ao maior peixe de água doce dos EUA que era capturado com mais facilidade nessa época do ano.

12, 13 de agosto – Chuva de meteoros Perseidas

A chuva de meteoros das Perseidas ocorre anualmente entre os dias 17 de julho e 24 de agosto. Neste ano, seu pico será na madrugada de 12 para 13 de agosto.

Seus meteoros, originados pelo cometa Swift-Tuttle, irradiam da constelação de Perseu. Infelizmente, a lua estará cheia durante o fenômeno, o que deve atrapalhar a observação.

14 de agosto – Saturno em oposição

No dia 14 de agosto, Saturno estará próximo da Terra, com a face totalmente iluminada pelo Sol. Dessa forma, ele ficará visível a noite toda, sendo o momento ideal para fotografar. Olha a dica: se tiver um telescópio, use-o. Isso permitirá que você enxergue os anéis e luas de Saturno.

26 de setembro – Júpiter na oposição

No dia 26 de setembro, Júpiter estará próximo da Terra, com a face totalmente iluminada pelo Sol. Um telescópio permitirá que você enxergue além das nuvens do planeta, mas um bom par de binóculos já será suficiente para ver as quatro maiores luas de Júpiter.

Quarto trimestre

7 de outubro – Chuva de Meteoros Draconídeos

A chuva de meteoros Draconídeos ocorre anualmente entre os dias 6 e 24 de outubro. Neste ano, seu pico será na noite do dia 7 de outubro.

Essa é uma chuva de meteoros pequena, formada a partir de grãos de poeira deixados pelo cometa 21P Giacobini-Zinner, identificado em 1900. Sua principal particularidade é que sua observação é melhor no início da noite do que na madrugada.

Os meteoros irradiam da constelação de Draco, mas o brilho da lua deverá bloquear parte do fenômeno neste ano.

21, 22 de outubro – Chuva de meteoros Oriônidas

A chuva de meteoros Oriônidas ocorre anualmente entre os dias 2 de outubro e 7 de novembro. Neste ano, seu pico será na madrugada de 21 para 22 de outubro.

Os meteoros, que irradiam da constelação de Órion, são produzidos por grãos de poeira deixados pelo cometa Halley. A lua crescente deixará o céu propício para a observação.

4 de novembro – Chuva de meteoros Taurídas

A chuva de meteoros Taurídas ocorre anualmente entre os dias 7 de setembro e 10 de dezembro. Neste ano, seu pico será na noite de 4 de novembro.

Esta chuva é diferente das outras, pois seus cometas partem de fluxos diferentes. O primeiro vem de grãos de poeira deixados pelo asteroide 2004 TG10, enquanto o segundo é originado em detritos deixados pelo cometa 2P Encke. Como o nome sugere, a chuva de meteoros irradia da constelação de Touro.

17, 18 de novembro – Chuva de Meteoros Leônidas

A chuva de meteoros Leônidas ocorre anualmente entre os dias 6 e 30 de novembro. Neste ano, seu pico será na madrugada de 17 para 18 de novembro.

Seus meteoros são gerados a partir de grãos de poeira deixados pelo cometa Tempel-Tuttle, identificado em 1865. Como o nome sugere, a chuva irradia da constelação de Leão.

13, 14 de dezembro – Chuva de meteoros Geminidas

A chuva de meteoros Geminidas ocorre anualmente entre os dias 7 e 17 de dezembro. Neste ano, seu pico será na madrugada de 13 para 14 de dezembro.

Os meteoros, que irradiam da constelação de Gêmeos, são produzidos pelos destroços do asteroide 3200 Phaethon, identificado pela primeira vez em 1982.

21, 22 de dezembro – Chuva de meteoros Ursídeas

A chuva de meteoros Ursídeas ocorre anualmente entre os dias 17 e 25 de dezembro. Neste ano, seu pico será na madrugada de 21 para 22 de dezembro.

Seus meteoros são formados por grãos de poeira deixados pelo cometa Tuttle, visto pela primeira vez em 1790. A chuva irradia da constelação da Ursa Menor.

 

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »