Mundo

Acordo entre Jeffrey Epstein e mulher que acusa príncipe Andrew de abuso sexual é tornado público


Virginia Giuffre acusou o príncipe britânico de tê-la forçado a fazer sexo com ele há mais de duas décadas, quando ela tinha menos de 18 anos. Em 2009 um acordo entre as partes foi feito sob sigilo. Príncipe Andrew em foto de 11 de abril de 2021
Steve Parsons/Pool via AP, Arquivo
Um acordo judicial que o príncipe Andrew afirma protegê-lo de um processo em andamento foi tornado público nesta segunda-feira (3). O documento foi assinado em 2009 por Jeffrey Epstein e Virginia Roberts, sob o pagamento de US$ 500 mil.
O acordo entre Epstein – morto em 2019 – e Roberts, que agora usa o sobrenome Giuffre, contém um parágrafo que diz proteger qualquer pessoa “que pudesse ser incluída como potencial réu”.
A divulgação do conteúdo deste acordo faz parte do processo civil movido por Giuffre, no qual ela acusa o filho da rainha Elizabeth II de abuso sexual.
O que diz a acusação?
Giuffre afirma que teve relações sexuais forçadas com o príncipe Andrew há mais de duas décadas, quando ela ainda era menor de idade.
Os encontros teriam acontecido na casa de Ghislaine Maxwell, ex-sócia de Epstein, e também na casa deste financista americano.
O advogado que representa o príncipe afirmou que o acordo de 2009 “libera Andrew e outros de qualquer suposta responsabilidade” e que “o príncipe nunca abusou sexualmente ou agrediu Giuffre”.
Próximos passos
O processo civil de Giuffre contra Andrew ainda está em um estágio inicial na Justiça americana.
Uma audiência sobre uma moção de Andrew para recusar o processo está marcada para a próxima terça-feira (4).
O juiz distrital dos EUA Lewis Kaplan disse que um julgamento pode ser iniciado entre setembro e dezembro de 2022 se nenhum acordo for firmado.

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »