Litoral

Jovem pede indenização após perder bebê em SP por suposta demora na cesárea


Milena Glória, de 19 anos, chegou a ir em hospital no dia anterior, com contrações e sangramento no 9º mês da gestação, mas foi mandada de volta para casa. Gestante de 9 meses, Milena Glória Cardoso perdeu o bebê com toxoplasmose
Arquivo pessoal
Uma estudante de 19 anos que perdeu o bebê aos nove meses de gestação está pedindo indenização por danos morais e psicológicos na Justiça, alegando que uma suposta negligência médica teria atrasado o nascimento do bebê, que morreu asfixiado na barriga dela. Na época, a Secretaria de Saúde de São Vicente, no litoral de São Paulo, alegou que seguiu todos os protocolos (leia mais abaixo).
Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram
Milena Glória Cardoso estava gestante com 40 semanas e três dias quando o bebê morreu antes de nascer. Ela pegou toxoplasmose, conhecida popularmente como ‘doença do gato’, antes da gestação. Por conta disso, a rede pública de saúde chegou a considerar a gravidez dela como de alto risco, mas descartou a classificação após mais exames.
A jovem foi ao hospital, segundo parentes, “extremamente inchada e sentindo muita dor” e, mesmo com sangramentos, a mandaram para casa aguardar até o dia seguinte. “Ela passou a noite inteira sangrando”, contou. Pela manhã do dia seguinte, voltaram ao hospital e Milena foi internada.
Quarto do bebê que morreu na barriga da mãe estava pronto
Reprodução
Fizeram o exame tococardiografia ante-parto, que verifica as condições do bebê ainda na barriga da mãe. Neste exame, a equipe médica notou que o bebê estava com os batimentos fracos, e optaram por aguardar o parto normal e não induzi-la à cesárea. Poucas horas depois, o bebê morreu na barriga da mãe.
Indenização por danos morais
A família entrou com uma ação judicial contra a Prefeitura de São Vicente, pedindo indenização por danos morais e psicológicos por conta da morte do bebê, acusando a Maternidade São José de demora no atendimento. O processo segue em sigilo na justiça.
Segundo a petição inicial, formulada pelas advogadas de defesa Márcia Renata Silva Simões Santos e Maria Alice Ramos de Castro, Milena tinha boa saúde, conforme comprovado pelo pré-natal realizado na ESF Esplanada dos Barreiros, da rede municipal de saúde. “Todos os exames estão perfeitos, não sugerindo qualquer problema com o feto”, diz no processo.
“A todo momento a autora falava que não estava se sentindo bem […], o estado de angústia materna estava assoberbado, e que havia algo de errado com o bebê”, diz a defesa no processo.
O laudo da autópsia do bebê apontou a morte como anóxia intra-útero, com hemorragia no fígado e no baço; rins com necrose aguda e pulmões com grandes quantidades de líquido amniótico. “Ou seja, demorou muito para nascer e morreu por isso”, diz a advogada Márcia.
As advogadas questionam por qual motivo a cesárea não foi feita imediatamente, na primeira ida com contrações e sangramentos de Milena ao hospital, alegando descaso e apontando que, por ser uma mulher pobre e sem instrução, não deram o devido suporte à estudante.
A Prefeitura de São Vicente informou que até o momento não foi notificada sobre o processo, mas reiterou, por nota, que está à disposição da justiça.
Maternidade São José
Procurada, a Secretaria da Saúde (Sesau) de São Vicente informou, na época, que o óbito do bebê de Milena foi constatado pouco antes da realização da cesárea. Disse, também, que os exames indicaram que ela contraiu a doença do gato antes da gestação e que todos os protocolos de atendimento foram seguidos. Veja abaixo a nota na íntegra:
“A Prefeitura de São Vicente, por meio da Secretaria da Saúde (Sesau), informa que Milena Cardoso, de 19 anos, deu entrada na Maternidade Municipal neste domingo (19), por volta do meio-dia, para controle de vitalidade fetal, devido à idade gestacional de 40 semanas e três dias. A paciente não apresentava sangramento ou perda de líquido.
Foram realizados cardiotocografia e exame ginecológico, constatando que a paciente não estava em trabalho de parto, mas com taquicardia fetal.
A paciente e sua mãe foram informadas sobre o quadro obstétrico. Em seguida, a gestante foi internada para realização da cesárea.
Após dar entrada no centro obstétrico, antes do procedimento, foi aproximado o sonar na barriga da gestante para auscultar o foco, e constatado que não havia mais batimento cardíaco fetal
A grávida foi encaminhada para realização de ultrassonografia, que confirmou o óbito fetal e derrame pericárdico.
Milena passou por uma cesárea e segue internada na Maternidade Municipal, acompanhada de familiar
A Prefeitura se solidariza com a dor da família e já se colocou à disposição para mais esclarecimentos”.
VÍDEOS: as notícias mais vistas do g1

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »