Litoral

Prefeitura de São Vicente solicita antecipação da audiência de conciliação para o fim da greve dos servidores


Segundo a administração municipal, Saúde e outros serviços essenciais estão sendo prejudicados pelo descumprimento da liminar do TJ-SP, por parte do SindServSV. Paço Municipal de São Vicente
Prefeitura de São Vicente
A prefeitura de São Vicente solicitou, na segunda-feira (21), a antecipação da audiência de conciliação com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Vicente (SindServSV). A categoria está há 12 dias em greve e pede um reajuste salarial de 16%, o que representa dois anos de perdas inflacionárias.
Segundo a administração municipal, os representantes dos servidores judicializaram a negociação e não estão acatando a decisão liminar do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) de manter 80% dos funcionários que atuam em serviços essenciais e 30% dos demais trabalhadores.
Em nota, o secretário de Gestão (Seges), Yuri Batista Câmara, afirma que o sindicato não está cumprindo com a fiscalização de manter a porcentagem de servidores trabalhando, o que está prejudicando a população, especialmente nos serviços essenciais.
De acordo com a prefeitura, no Hospital Municipal, alguns plantões estão sendo executados com apenas 18% do quadro de auxiliares de enfermagem comparecendo ao trabalho.
Já o prefeito Kayo Amado (PODE), em nota, disse que várias reuniões foram realizadas entre outubro de 2021 e fevereiro de 2022 explicando o cenário econômico e o limite orçamentário e que não faltou esforços para chegar em um acordo.
Posicionamento
Ao g1, o SindServSV afirma que em relação à judicialização da greve, a categoria nunca teve medo e tem certeza da legalidade e legitimidade da ação e, especialmente, quanto a justeza dos propósitos e que espera que a prefeitura apresente uma proposta de conciliação decente.
Em relação aos números apresentados pela prefeitura, o Sindicato diz que resta saber que tipo de conta estão utilizando e qual o índice normal de comparecimento dos trabalhadores e trabalhadoras.
Ainda de acordo com o SindServSV, enquanto aguarda o julgamento do recurso junto ao TJ-SP, a categoria está atuando para respeitar a liminar, mas que a prefeitura adota métodos de modo a burlar o direito de greve, utilizando-se de um defasado e insuficiente quadro de pessoal com objetivo de questionar a legitimidade da paralisação.
VÍDEOS: Mais assistidos do g1 nos últimos 7 dias

Deixe seu comentário sobre esta noticias

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »