Mundo

China, onde política do filho único vigorou por 35 anos, vai dar benefícios às famílias que tiverem mais crianças


Em meio a queda no nascimento de bebês, país mais populoso do mundo anuncia novas medidas para incentivar casais a terem mais filhos. Entre elas, reduzir os abortos que não seja necessários por razões médicas. Crianças brincam em Pequim em junho de 2022
Tingshu Wang/Reuters
A China anunciou nesta terça-feira (16) novas medidas para incentivar as famílias a terem mais filhos, como desencorajar o aborto e tornar o tratamento de fertilidade mais acessível.
Após décadas de um rígido controle de natalidade, o país mais populoso do mundo enfrenta agora uma crise demográfica, com a força de trabalho envelhecendo, uma economia em desaceleração e o menor crescimento populacional em décadas.
Termina política do filho único na China
A Comissão Nacional de Saúde chinesa disse que trabalhará para aumentar a conscientização pública quanto à saúde reprodutiva, enquanto “previne a gravidez indesejada e reduz os abortos que não sejam necessários por razões médicas”.
O número de abortos realizados na China ficou acima de 9,5 milhões entre 2015 e 2019, de acordo com um relatório da Comissão Nacional de Saúde publicado no final de 2021.
Leia também
China: por que chinesas não querem engravidar apesar de fim da política do filho único
A China impôs uma política de filho único – na qual cada casal podia ter apenas um filho – de 1980 a 2015. Em 2016, a lei passou a permitir até dois filhos e, em 2021, três filhos. Ainda assim, os nascimentos continuaram diminuindo nos últimos cinco anos.
Medidas ativas de apoio à fertilidade
Segundo a Comissão Nacional de Saúde, os governos locais devem agora “pôr em prática medidas ativas de apoio à fertilidade”, através de subsídios, deduções fiscais e melhores seguros de saúde, bem como educação, habitação e ajuda ao emprego para as famílias.
Até o final do ano, as províncias também devem garantir que há um número suficiente de creches para crianças de idades entre 2 e 3 anos.
No ano passado, as autoridades começaram a introduzir medidas como deduções fiscais, licença maternidade mais longa, subsídios à moradia, dinheiro extra para um terceiro filho e repressão a aulas particulares caras. Pequim diz que as medidas são cruciais para “promover o desenvolvimento equilibrado da população a longo prazo”.
As cidades mais ricas da China já introduziram algumas dessas medidas. Agora, as novas regras querem expandir a política para todo o território.
Taxa de natalidade em queda
A taxa de natalidade da China caiu, no ano passado, para 7,52 nascimentos por mil pessoas, a menor desde que os registros começaram em 1949, segundo o Gabinete Nacional de Estatísticas.
O maior custo de vida e a propensão a famílias menores estão entre os motivos para o declínio. Além disso, segundo demógrafos, a política de “zero covid”, com controles rígidos sobre a vida das pessoas, pode ter causado danos profundos ao desejo de ter filhos.
No início de agosto, as autoridades de saúde alertaram que a população da China vai diminuir até 2025. Em julho, a ONU anunciou que a Índia deve superar a China em breve como país mais populoso do mundo.
Veja os vídeos mais assistidos do g1

Deixe seu comentário sobre esta noticias

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »