Tecnologia

5G afeta sinal de TV na parabólica antiga; guia traz tudo sobre a mudança e quem pode pedir nova antena gratuita


Atualmente, nova parabólica pode ser solicitada nas capitais e em outras 26 cidades, desde que pessoa esteja inscrita no CadÚnico e tenha uma parabólica antiga funcionando. Sinal de TV aberta nas antenas parabólicas pode ser fechado a partir de novembro de 2023
Reprodução/EPTV
Com a chegada da internet 5G ao Brasil, a transmissão via satélite de canais abertos de TV mudará de faixa para evitar interferências. A faixa é como uma “entrada” no ar, por onde os sinais trafegam.
Compartilhe essa notícia no WhatsApp
Compartilhe essa notícia no Telegram
Com essa alteração, para captar o sinal da TV aberta, usuários de antenas parabólicas convencionais vão precisar trocar o equipamento por parabólicas digitais, aquelas menorzinhas.
Kits com antena digital, receptor e cabos são vendidos em lojas físicas e na internet. Mas quem é beneficiário de programas sociais do governo federal (e, portanto, inscrito no sistema CadÚnico) e tem uma parabólica convencional funcionando pode receber de graça a nova parabólica.
Veja abaixo onde e como solicitar, além de outras perguntas e respostas sobre a troca de antenas parabólicas antigas.
Vou precisar trocar de antena? Por quê?
Essa faixa já está sofrendo interferências? Quais?
Quando o sinal de TV será desligado nas parabólicas antigas?
Tenho antena de TV: preciso fazer alguma coisa?
Quais as diferenças entre parabólica antiga e a nova parabólica?
Quem pode ter o kit da nova parabólica de graça?
Como saber se estou no CadÚnico?
Em que cidades é possível pedir a nova parabólica de graça?
E se eu não for elegível para receber a antena gratuitamente, onde compro?
Quais as vantagens da nova parabólica?
1. Vou precisar trocar de antena? Por quê?
Quem tiver a antena parabólica convencional (veja como saber se a sua é desse tipo) vai ter que trocar este equipamento por conta da ativação do 5G, a nova geração de internet móvel, no Brasil.
É que o 5G vai operar principalmente na faixa de 3,5 GHz. As faixas são as frequências por onde a rede é ativada, como se fossem a “rodovia” no ar por onde circulam os dados.
Como o sinal da TV pela parabólica antiga opera em uma frequência/faixa muito próxima (3,6 a 3,7 GHz) dessa destinada ao 5G, esses equipamentos poderão sofrer interferências onde a nova geração da internet estiver ativada. Por ora, o 5G foi ligado nas capitais e em 26 cidades.
A mudança da faixa da antiga parabólica foi definida pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) quando ela criou as regras para o 5G começar a valer no Brasil. Esse documento prevê o desligamento do sinal de TV nas parabólicas antigas.
Voltar para o início.
2. Essa faixa já está sofrendo interferências? Quais?
A interferência já pode ser sentida nas TVs das capitais e de cidades onde o 5G já está ativado. O efeito da nova tecnologia pode fazer o sinal da parabólica convencional trazer imagens com “chuvisco” ou até fazer a conexão cair.
Voltar para o início.
3. Quando o sinal de TV será desligado nas parabólicas antigas?
A Anatel deu um prazo de 18 meses, contando a partir de 30 de maio de 2022, para que transmissão da TV aberta pare de funcionar nas parabólicas antigas. Ou seja, o sinal está programado para ser desligado no começo de 2024.
No entanto, caso seja necessário, esse prazo ainda poderá ser prorrogado até 31 de dezembro de 2025 pelo grupo criado pela Anatel para coordenar a ativação do 5G no Brasil.
Voltar para o início.
4. Tenho antena de TV: preciso fazer alguma coisa?
Você só precisará trocar de antena se tiver a parabólica convencional, a mais antiga dos modelos oferecidos atualmente. Formatos de antenas digitais (nova parabólica, “espinha de peixe” e interna) não precisam ser trocados.
Voltar para o início.
5. Como diferenciar as antenas?
A parabólica convencional, que precisará ser trocada, é maior do que as outras antenas. Sua estrutura pode ter até 3 metros de diâmetro, é telada e tem hastes ao redor da antena.
A nova parabólica digital, que substituirá a convencional, é menor e tem uma chapa rígida em formato de círculo como suporte para a antena. A estrutura é igual à das parabólicas de TV por assinatura, que não precisam ser trocadas.
Outros modelos de antenas, como as externas conhecidas chamadas de “espinha de peixe” e as internas, já têm sinal digital e também não precisam ser substituídos.
Diferença das antenas parabólicas para as digitais
Arte/g1
Voltar para o início.
6. Quem pode ter o kit da nova parabólica de graça?
É preciso atender a dois requisitos para ter direito ao kit com a nova parabólica:
ter uma parabólica antiga/convencional que esteja funcionando;
ser inscrito no CadÚnico.
O Cadúnico é um sistema que cadastra os beneficiários de algum programa social do governo federal, como Auxílio Brasil (antigo Bolsa Família), Tarifa Social de Energia Elétrica, ID Jovem, Carteira do Idoso e Casa Verde e Amarela.
Se a pessoa atende aos dois requisitos, o próximo passo é verificar se a cidade onde mora já oferece a troca de equipamentos. Atualmente, isso acontece apenas nas capitais e em outros 26 municípios com mais de 500 mil habitantes (veja abaixo a lista).
O agendamento para trocar a antena parabólica só está disponível nesses locais porque ou já tiveram o 5G ativado (caso das capitais) ou serão os próximos a receber a tecnologia (as 26 cidades com mais de 500 mil habitantes).
A antena digital pode ser solicitada pelo site da Siga Antenado ou por telefone, pelo número 0800 729 2404. O equipamento é entregue e instalado gratuitamente pela entidade de acordo com o agendamento realizado.
A Siga Antenado é uma entidade formada por Claro, TIM e Vivo. Essas operadoras arremataram os lotes da principal frequência da internet 5G. Como contrapartida, elas ficaram responsáveis por financiar a troca das antenas para os beneficiários do CadÚnico.
Voltar para o início.
7. Como saber se estou no CadÚnico?
É possível conferir se você está em algum programa social ao informar seus dados pessoais por meio do site do CadÚnico. Você também pode descobrir pelo aplicativo Meu CadÚnico.
Voltar para o início.
8. Em que cidades é possível pedir a nova parabólica de graça?
Atualmente, o agendamento para receber a nova parabólica de graça está liberado em todas as capitais e outras 26 cidades com mais de 500 mil habitantes (veja a lista abaixo) – municípios nessa faixa populacional serão os próximos a receberem a ativação do 5G.
O cronograma da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) prevê que, nas cidades com mais de 500 mil habitantes, a faixa de 3,5 GHz deve ser ativada para o 5G até janeiro de 2023.
Com essa ativação, as cidades também terão interferência no sinal de TV via parabólica convencional.
Além das capitais, veja abaixo as cidades com mais de 500 mil habitantes em que é possível fazer o agendamento para receber antena digital de graça:
Ananindeua (PA)
Aparecida de Goiânia (GO)
Belford Roxo (RJ)
Campinas (SP)
Campos dos Goytacazes (RJ)
Caxias do Sul (RS)
Contagem (MG)
Duque de Caxias (RJ)
Feira de Santana (BA)
Guarulhos (SP)
Jaboatão dos Guararapes (PE)
Joinville (SC)
Juiz de Fora (MG)
Londrina (PR)
Niterói (RJ)
Nova Iguaçu (RJ)
Osasco (SP)
Ribeirão Preto (SP)
Santo André (SP)
São Bernardo do Campo (SP)
São Gonçalo (RJ)
São José dos Campos (SP)
Serra (ES)
Sorocaba (SP)
Uberlândia (MG)
Vila Velha (ES)
Voltar para o início.
9. E se eu não for elegível para receber a antena gratuitamente, onde compro?
É possível comprar uma antena digital na internet e em diversos tipos de loja física, principalmente as do setor de tecnologia e material de construção.
Na internet, é possível encontrar preços na faixa de R$ 30 para antenas internas e R$ 70 para as “espinhas de peixe”.
Já os preços da nova parabólica variam mais. Pesquisando em três sites de marketplace no início de dezembro, o g1 encontrou antenas vendidas de R$ 90 a R$ 310.
Voltar para o início.
10. Quais as vantagens da nova parabólica digital? O sinal continuará de graça?
A parabólica digital oferece imagem e som com mais qualidade e equipamentos mais modernos, além de novos canais e programação regional. E, sim, o sinal da TV aberta continuará de graça.
Voltar para o início.
g1 explica: a revolução do 5G
G1 Explica: a revolução do 5G

Deixe seu comentário sobre esta noticias

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »