Tecnologia

Multas milionárias colocam modelo econômico da Meta na Europa à prova


A dona do Facebook é alvo de multa pelo tratamento dos dados pessoais de seus usuários e pela maneira como eles são usados para publicidade direcionada. Meta, dona do Facebook
Peter Da Silva/ REUTERS
O modelo econômico da gigante americana Meta, proprietária do Facebook, enfrenta um duro teste na União Europeia (UE), depois de uma nova multa multimilionária do regulador irlandês.
A Meta é alvo por seu controverso tratamento dos dados pessoais de seus usuários e pela maneira como eles são usados para publicidade direcionada.
O regulador irlandês multou a Meta duas vezes na quarta-feira (4) em 390 milhões de euros (US$ 414 milhões ou R$ 2,2 bilhões).
A Comissão Irlandesa de Proteção de Dados (DPC) alegou que a Meta violou “suas obrigações de transparência” e usou uma base jurídica errônea “para o processamento de dados pessoais para fins de publicidade personalizada”.
Meta é multada em US$ 414 milhões na Europa por forçar anúncios personalizados
‘Big techs’ perdem quase US$ 4 trilhões em valor de mercado em 1 ano
Por que gigantes da tecnologia estão demitindo em massa
Esta decisão “pode representar um duro golpe para a Meta”, antecipa Dan Ives, analista da empresa de investimentos americana Wedbush Securities, que estima que o grupo poderá perder entre 5% e 7% do seu volume de negócios no médio prazo.
A Meta anunciou que vai recorrer, o que dá margem “para atrasar os prazos” enquanto avalia o rumo a tomar, acrescenta este especialista.
Especialista analisa qual será o futuro da Meta, dona do Facebook; ASSISTA:
Queda de ações: diretor do ITS Rio analisa qual será o futuro da Meta, dona do Facebook
Mercado europeu
A Europa representa um mercado chave para a Meta.
O Facebook tinha 303 milhões de usuários ativos diários na Europa no terceiro trimestre de 2022, em comparação com 197 milhões na região EUA/Canadá, de um total de 2 bilhões em todo o mundo.
E o mercado europeu representou cerca de 21% do volume de negócios publicitários da Meta no mesmo período (47% para a área dos EUA/Canadá).
Segundo juristas, a decisão do regulador irlandês obriga a gigante americana a pedir aos seus usuários europeus autorização específica para lhes oferecer publicidade direcionada.
A publicidade direcionada, teoricamente selecionada com base nos gostos do usuário, é há anos um elemento-chave dos grandes players da Internet e das redes sociais.
A publicidade não seletiva significa menos receita para as empresas.
“Não há outra solução possível senão pedir o consentimento formal” dos internautas, explica Paul-Olivier Gibert, presidente da Associação Francesa de Controladores de Dados Pessoais.
A advogada Sonia Cissé, do escritório Linklater, considera que a decisão irlandesa “não põe em causa os modelos econômicos” baseados em publicidade direcionada, como é o caso da Meta.
“Mas os regula e os limita, claramente”, insiste.
Para atrair os usuários a concordar com o consentimento, “as empresas precisarão ser mais espirituosas”, prevê.
A Meta pode pelo menos contar com alguma benevolência irlandesa.
A agência reconheceu que só sancionou o grupo após receber pressão de suas contrapartes europeias, reunidas no Comitê Europeu de Proteção de Dados.
O DPC, ao mesmo tempo, recusou-se a abrir uma investigação sobre o conjunto de dados coletados pelo Facebook e Meta.
“Neste momento existem muitas sanções contra empresas americanas”, diz Cissé, especialista em ações judiciais relacionadas a dados pessoais.
“As autoridades reguladoras europeias estão muito atentas à proteção dos interesses dos usuários” das plataformas, mas “às vezes me pergunto se não é uma forma de privilegiar as empresas europeias”, acrescenta.
“Os usuários gostam de receber serviços gratuitos que, por enquanto, as empresas europeias não têm conseguido oferecer”, ressalta.
Celular perdido? Veja como localizar iPhone e Android pelo computador
Initial plugin text

Deixe seu comentário sobre esta noticias

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »