Tecnologia

Amazon diz que onda de demissões vai atingir mais de 18 mil funcionários


Empresa já havia determinado a demissão de cerca de 10 mil funcionários, em novembro de 2022. Andy Jassy, o CEO da Amazon
Divulgação/Amazon
O presidente-executivo da Amazon, Andy Jassy, anunciou nesta quarta-feira (4) que a onda de demissões na empresa vai continuar — atingindo mais de 18 mil funcionários.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
Antes, o “Wall Street Journal”, que disse ter ouvido fontes próximas, havia anunciado cerca de 17 mil cortes. Mas o comunicado de Jassy informa mais de 18 mil e diz que as revisões que levaram ao plano de demissões têm como objetivo “priorizar o que é mais importante para os clientes e a saúde a longo prazo dos nossos negócios”.
A Amazon tem mais de 1,5 milhão de trabalhadores, incluindo pessoal dos depósitos, sendo a segunda maior empregadora privada dos Estados Unidos, atrás do Walmart, segundo a Reuters. Os comunicados aos funcionários devem começar em 18 de janeiro.
‘Big techs’ perdem quase US$ 4 trilhões em valor de mercado em 1 ano
Jassy afirma que o anúncio foi adiantado após a informação ser vazada.
“Normalmente, esperamos para comunicar sobre esses resultados até que possamos falar com as pessoas diretamente afetadas. No entanto, como um de nossos colegas vazou essa informação externamente, decidimos que era melhor compartilhar essa notícia antes para que você pudesse ouvir os detalhes diretamente de mim.”
O plano de demissões da Amazon não é novo. Em novembro de 2022, a empresa planejava demitir cerca de 10 mil funcionários de cargos corporativos e de tecnologia, além de dispositivos e livros.
“Em novembro, comunicamos a difícil decisão de eliminar vários cargos em nossos negócios de Dispositivos e Livros e também anunciamos uma oferta de redução voluntária para alguns funcionários em nossa organização de Pessoas, Experiência e Tecnologia.”
Uma nova onda de demissões na Amazon já estava prevista em 2022, mas, na ocasião, não foram divulgados números ou áreas impactadas.
As demissões da Amazon superam os cortes anunciados no ano passado pela Meta Platforms, controladora do Facebook.
Já o Twitter, comprado em outubro pelo bilionário Elon Musk, demitiu cerca de metade de seus 7.500 funcionários, enquanto o Snapchat cortou aproximadamente 20% de seus funcionários em agosto, o equivalente a 1.200 pessoas, de acordo com a France Presse.
Amazon culpa inflação
Em 2022, a Amazon indicou desaceleração no crescimento na temporada de final de ano, período em que varejista têm maior volume de vendas. A empresa disse, na ocasião, que consumidores e empresas tinham menos dinheiro para gastar devido à inflação.
A desaceleração econômica e o aumento dos custos de mão de obra e transporte prejudicaram empresas que contrataram agressivamente durante a pandemia, quando aumentou a demanda por comércio eletrônico para serviços baseados em nuvem.
A Amazon perdeu cerca de 40% do valor de mercado até agora em 2022.
LEIA TAMBÉM:
Google, Facebook e Microsoft vivem mau momento no mercado de ações: o que está acontecendo com as ‘big techs’?
Salesforce, dona do Slack, vai demitir 10% dos funcionários e fechar alguns escritórios
Como a gestão de Elon Musk no Twitter está sendo vista por especialistas em tecnologia
‘Eu errei’, diz Mark Zuckerberg ao anunciar demissão de 11 mil na Meta

Deixe seu comentário sobre esta noticias

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »