Mundo

Na Ucrânia, onde mísseis russos miram usinas elétricas, eletricistas também são heróis


Funcionários ucranianos trabalham 24 horas por dia, 7 dias por semana, para garantir fornecimento de energia no país — e reparar estragos causados pelos ataques da Rússia na rede elétrica. Trabalhadores da usina olham para o transformador de tensão que foi destruído após um ataque russo na Ucrânia central, quinta-feira, 5 de janeiro de 2023
AP Photo/Evgeniy Maloletka
Na Ucrânia, em torno de alguns de seus preciosos transformadores – aqueles que ainda funcionam, cheios de eletricidade – os trabalhadores da usina construíram escudos de proteção usando blocos de concreto gigantes para que tenham mais chances de sobreviver ao próximo bombardeio de mísseis da Rússia.
Janelas quebradas na sala de controle da usina são remendadas com papelão e sacos de areia empilhados, então os operadores que trabalham nas mesas 24 horas por dia, 7 dias por semana, vigiando medidores, telas, luzes e botões, correm menos risco de serem mortos ou ferido por estilhaços assassinos.
“Enquanto houver equipamentos que possam ser consertados, vamos trabalhar”, disse o diretor da usina a que uma equipe de jornalistas da Associated Press teve acesso.
A reportagem não identificará a usina e nem fornecerá sua localização, pois as autoridades ucranianas disseram que tais detalhes poderiam ajudar os estrategistas militares russos. Pelo mesmo motivo, o diretor e seus funcionários também se recusaram a ser identificados com seus nomes completos.
Como a usina não pode funcionar sem eles, os operadores prepararam coletes blindados e capacetes para usar durante as chuvas mortais de mísseis, para que possam permanecer em seus postos e não se juntar a trabalhadores menos essenciais no abrigo antiaéreo.
Um trabalhador transmite os parâmetros do painel de controle de uma usina no centro da Ucrânia, quinta-feira, 5 de janeiro de 2023
AP Photo/Evgeniy Maloletka
Cada ataque aéreo da Rússia causa mais danos, deixa mais buracos nas paredes e levanta mais questões sobre por quanto tempo os trabalhadores de energia da Ucrânia serão capazes de manter as casas alimentadas, aquecidas e iluminadas nas temperaturas abaixo de zero do inverno. E, ainda assim, contra todas as probabilidades e às vezes ao custo de suas vidas, eles mantêm a eletricidade fluindo.
Cada watt adicional de eletricidade que os funcionários conseguem inserir para rede elétrica desafia a invasão de quase 11 meses do presidente russo, Vladimir Putin, e os esforços de seus militares para usar o inverno como ferramenta de guerra.
Na Ucrânia, energia elétrica é sinônimo de esperança — e os eletricistas não vão deixá-la morrer.
Na cabeça deles, a usina é mais do que apenas um lugar onde se produz energia. Ao longo de décadas cuidando de suas turbinas giratórias, cabos grossos e canos barulhentos, o local tornou-se algo que os funcionários aprenderam a amar e que desejam desesperadamente manter vivo. Vê-lo danificado sistematicamente por repetidos ataques russos é doloroso para eles.
“A estação é como um organismo, cada órgão nela tem algum significado. Mas muitos órgãos já estão danificados. Me dói muito assistir a tudo isso. É estresse desumano. Carregamos esta estação em nossos braços como uma criança”, disse Oleh, que trabalha na fábrica há 23 anos.
Ondas sucessivas de mísseis russos e ataques de drones explosivos desde setembro destruíram e danificaram cerca de metade do sistema de energia da Ucrânia, diz o governo. Os cortes contínuos de eletricidade tornaram-se norma em todo o país, com dezenas de milhões de pessoas vivendo apenas com energia intermitente, às vezes apenas algumas horas por dia. Os bombardeios também forçaram os ucranianos a deixarem de exportar eletricidade para os vizinhos Eslováquia, Romênia, Hungria, Polônia e Moldávia.
A Rússia disse que os ataques visam enfraquecer a capacidade da Ucrânia de se defender. Autoridades ocidentais dizem que o sofrimento causado pelos apagões aos civis é um crime de guerra.
A usina que a equipe da AP visitou foi atingida repetidamente e fortemente danificada. Ela ainda abastece milhares de residências e indústrias, mas sua produção caiu significativamente em relação aos níveis anteriores à invasão, dizem seus trabalhadores.
Todas as partes da instalação apresentam danos. Fragmentos de mísseis estão espalhados, deixados onde caíram por trabalhadores ocupados demais para limpar o local. Os funcionários dizem que suas famílias os enviam para seus turnos com as palavras: “Que Deus os proteja”.
Um trabalhador de uma usina passa por uma cratera causada por um ataque russo no centro da Ucrânia, quinta-feira, 5 de janeiro de 2023
Photo/Evgeniy Maloletka
Mykola começou a trabalhar na fábrica há 36 anos, quando a Ucrânia ainda fazia parte da União Soviética. Ele sobreviveu a um dos ataques.
“As janelas voaram instantaneamente e a poeira começou a cair do teto”, lembrou Mykola. Para que pudesse avaliar imediatamente os danos, ele colocou seu colete blindado e capacete e se aventurou do lado de fora, em vez de se proteger no abrigo antiaéreo.
“Não temos medo. Tememos mais pelos equipamentos necessários para fornecer luz e calor”, afirmou Mykola.
Os militares da Rússia que programas os mísseis parecem estar aprendendo à medida que avançam, adaptando suas táticas para causar mais prejuízos, disse Oleh. Os equipamentos costumavam detonar no nível do solo, criando crateras, mas agora explodem no ar, causando danos em áreas mais amplas.
“Os russos estão bombardeando e nós estamos reconstruindo, e eles estão bombardeando novamente e nós estamos reconstruindo. Nós realmente precisamos de ajuda. Não podemos lidar com isso aqui sozinhos”, disse Oleh.
Trabalhadores da usina chegam para reparar os danos após um ataque russo no centro da Ucrânia, quinta-feira, 5 de janeiro de 2023
AP Photo/Evgeniy Maloletka

Deixe seu comentário sobre esta noticias

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »