Policia

Anac estuda medidas para ‘enquadrar’ passageiros indisciplinados


Tema está na agenda regulatória do órgão e o desenho de novas regras já deve começar em meados de 2023. Avião voando
Divulgação/Inframerica
A impunidade para passageiros indisciplinados em aeronaves e aeroportos pode estar com os dias contados.
Segundo o diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Tiago Sousa Pereira, o órgão está estudando medidas para enquadrar passageiros que descumprem normas de conduta – e o desenho de novas regras sobre o tema deve ser apresentando entre o segundo e o terceiro trimestres do próximo ano. A proposta está na agenda regulatória do órgão para 2023.
Segundo Pereira, o órgão criou um grupo de estudos que reúne representantes da Anac, de companhias aéreas e de aeroportos para tentar alternativas sobre como trazer uma nova regulação para o tema.
“É um assunto muito complexo porque, de um lado, eu olho para as regras de aviação e quero gerar segurança em todos os passageiros da aeronave e, de outro, há o direito constitucional de ir e vir que não podemos negligenciar”, explica o diretor da Anac.
Piora na pandemia
O debate sobre o tema não é novo, mas ganhou força conforme o número de casos começou a crescer. Segundo Dany Oliveira, diretor no Brasil da Associação Internacional do Transporte Aéreo (Iata), as ocorrências de passageiros indisciplinados aumentaram “absurdamente” durante a pandemia.
“É preciso ter uma regulação que faça o enquadramento desse assunto e esclareça se é um crime. Se for um crime, o debate evolui para como tratar esse crime. O problema é que ainda não temos uma regra específica sobre isso e, por isso, não temos controle”, afirma Oliveira.
Os casos, segundo os executivos, vão desde passageiros que acabaram depredando aeronaves e guichês de companhias aéreas em aeroportos em momentos de estresse, até aqueles que se recusaram a acatar instruções da tripulação – seja orientações de segurança ou até mesmo a exigência do uso de máscaras durante voos, estabelecida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em momentos de alta no número de casos de Covid-19.
Além das consultas públicas e dos debates com o mercado e com a população, a expectativa é de que o grupo de estudos também avalie medidas internacionais – como é o caso das “blacklists” já adotadas por companhias aéreas do exterior, que adicionam o nome de passageiros mal comportados a uma lista e os impedem de comprar passagens para novos voos. Essa lista, na maioria das vezes, também pode ser acessada por outras empresas aéreas.
“Tudo será discutido. Avaliaremos como o assunto é tratado no exterior, o que as companhias poderão fazer dentro, fora ou depois do voo e entenderemos como e se um passageiro que cometeu algum tipo de indisciplina poderá ser penalizado. Além disso, também vamos debater o assunto com os órgãos de defesa do consumidor, para ver quais medidas são cabíveis para resolver esse problema”, completa Pereira da Anac.

Deixe seu comentário sobre esta noticias

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »