Tecnologia

Fotos de mamilos: comitê do Instagram e Facebook pede que política sobre nudez nas redes seja mais clara


Discussão surgiu após censura de imagem de casal não-binário. Conselho afirmou que regra sobre posts que mostrem mamilos femininos é confusa, principalmente quando aplicada a pessoas trans. Facebook já foi alvo de protestos por proibir imagens de mulheres amamentando por conta de diretrizes contra nudez
G1
O comitê de supervisão da Meta, dona do Instagram e Facebook, divulgou um comunicado pedindo a revisão da política de nudez das redes sociais.
Para o grupo, responsável por revisar a moderação de conteúdo dessas plataformas, entende que as regras as imagens de mamilos femininos não são claras. Isso após anular a censura das plataformas sobre fotos de um casal não binário, que cobriu os mamilos na imagem.
A dupla, que mora nos Estados Unidos, publicou a foto no Instagram para anunciar que um dos membros passaria por uma cirurgia para retirada das mamas.
O comitê, formado por pesquisadores e especialistas independentes, afirmou que a política da Meta sobre nudez é baseada em uma visão binária sobre o gênero e a distinção entre corpos masculinos e femininos.
“As restrições e exceções às regras sobre mamilos femininos são extensas e confusas, principalmente quando se aplicam a pessoas trans e não binárias”, afirmou o conselho.
De acordo com as políticas da Meta, mulheres podem postar fotos dos mamilos apenas em situações específicas, como protestos, cenas de parto e contextos médicos e de saúde, incluindo cirurgias e conscientização sobre o câncer de mama.
VEJA TAMBÉM:
‘Não me encaixava nem no grupo dos homens, nem no das mulheres’, diz publicitária não binária
Entenda as definições das identidades de gênero como ‘cis’, ‘trans’ e ‘não-binário’
RELEMBRE: Ativistas protestam de topless contra ‘machismo’ do Facebook
Pedido de revisão
No comunicado, o conselho considera que esse conjunto política resulta em maiores barreiras à expressão de mulheres, trans e pessoas não-binárias. “As pessoas que se identificam como LGBTQI+ podem ser afetadas de forma desproporcional, como mostram esses casos”, completou o comitê.
Por isso, o grupo fez uma série de pedidos à empresa. Entre eles estão:
definir critérios claros e objetivos para o Padrão Comunitário de Nudez e Atividade Sexual Adulta da Meta, para que todas as pessoas sejam tratadas de maneira consistente com os padrões internacionais de direitos humanos, sem discriminação com base em sexo ou gênero;
fornecer mais detalhes em seu Padrão da Comunidade de Solicitação Sexual voltado para o público sobre os critérios que levam à remoção de conteúdo.
A Meta tem 60 dias para responder às recomendações, que não são obrigatórias.
Publicitária conta como descobriu ser não binária; ASSISTA:
Mais que uma letra: ‘Não me encaixava no grupo dos homens, nem das mulheres’, diz Beta
MAIS QUE UMA LETRA: no mês do orgulho LGBTQIA+, o g1 ouviu pessoas da comunidade para explicar o que significa cada uma das letras, falar sobre seu processo de descoberta e os desafios que enfrentam.

Deixe seu comentário sobre esta noticias

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »