Politica

Após críticas de Lula à meta de inflação, Haddad defende discussão com ‘sobriedade’


Presidente havia dito que atual meta de inflação inibe o crescimento da economia. Já o ministro da Fazenda defendeu que todas as variáveis sejam observadas ao definir a meta. Os ministros da Fazenda do Brasil, Fernando Haddade, e da Economia da Argentina, Sergio Massa
Reprodução/TV Brasil
Após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva dizer que a atual meta de inflação atrapalha o crescimento da economia, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, defendeu que todos os aspectos envolvidos na definição da meta sejam ponderados com “sobriedade”.
O ministro também falou em “ter tranquilidade” para enfrentar essa discussão e que uma inflação mais baixa é sempre o mais desejável.
As declarações foram dadas em Buenos Aires, na Argentina, onde o ministro acompanha o presidente Lula em uma série de agendas bilaterais e com empresários.
“Tudo isso tem que ser ponderado, com sobriedade, e olhando para o mercado, olhando qual é o comportamento dos preços, qual a chance de a gente convergir pra uma inflação mais baixa, que é sempre o mais desejável, sobretudo pensando na parte mais vulnerável economicamente da população”, afirmou. “É ter tranquilidade em enfrentar esse tipo de discussão”, declarou Haddad.
O ministro também afirmou que é preciso olhar não somente para o centro da meta de inflação, mas também para o piso e para o teto. “Tem chance da gente pelo menos a gente estar dentro da banda, que é relativamente alta no Brasil, que é 1,5 [ponto percentual pra cima ou baixo].”
Na semana passada, Lula criticou a atual meta de inflação, que é de 3,25%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Para o presidente, uma meta baixa faz o Banco Central subir juros demasiadamente, o que inibe o crescimento da economia.
LEIA TAMBÉM: Fala de Lula sobre BC e meta de inflação preocupa empresários aliados do presidente
“Você estabelecer uma meta de inflação de 3,7%, quando você faz isso, você é obrigado a arrochar mais a economia para poder atingir aqueles 3,7%. […] O que nós precisamos nesse instante é o seguinte: a economia brasileira precisa voltar a crescer”, defendeu Lula.
Lula fala sobre as questões envolvendo o Banco Central
A declaração de Lula foi lida como um indicativo de que o governo brasileiro pode subir a meta de inflação para os próximos anos. A definição da meta é feita pelo Conselho Monetário Nacional, formado pelos ministros da Fazenda e do Planejamento e Orçamento e pelo presidente do Banco Central.
Já Haddad, nesta segunda, disse que os agentes econômicos estão confiantes de que o Brasil está convergindo para a meta estabelecida e que isso precisa ser observado pelo CMN.
“Essa é uma coisa que tem que ser observada pelo CMN, observar qual é a projeção que os agentes econômicos estão fazendo para tomar decisão, todo mundo prefere inflação mais baixa do que mais alta”, disse Haddad.

Deixe seu comentário sobre esta noticias

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »