Tecnologia

ChatGPT: revista ‘Nature’ define regras de uso de robôs para garantir transparência no meio científico


Sistemas de inteligência artificial não serão aceitos como autores de trabalhos de pesquisa, de acordo com a revista. A revista “Nature”, uma das mais conceituadas no meio científico, impôs regras para o uso de sistemas de inteligência artificial (IA) na construção de materiais científicos, como pesquisas e artigos. A decisão veio após a popularização do “ChatGPT”, robô que, em segundos, consegue elaborar um texto fluente e que parece ter sido escrito por uma pessoa.
Nesta terça-feira (24), em um editorial, a revista afirmou que “ferramentas como o ChatGPT ameaçam a ciência transparente” e estabeleceu duas regras básicas para o uso ético dos robôs em trabalhos a serem publicados pela revista:
Nenhum sistema será aceito como autor de um trabalho de pesquisa: ferramentas de inteligência artificial não podem assumir a responsabilidade sobre um estudo. De acordo com a Nature, vários pré-prints (versão ainda não revisada) e artigos publicados já creditaram a autoria ao ChatGPT.
Caso sistemas de IA sejam usados em trabalhos de pesquisa, isso precisa estar documentado: a informação deve constar na metodologia ou nos agradecimentos, por exemplo.
Na comunidade científica, a preocupação é que estudantes e cientistas usem robôs como o ChatGPT para escrever textos como se fossem seus, o que, segundo a Nature, poderia acarretar em trabalhos que não sejam confiáveis.
“À medida que os pesquisadores mergulham no admirável mundo novo dos chatbots avançados de IA, os editores precisam reconhecer seus usos legítimos e estabelecer diretrizes claras para evitar abusos”, disse a Nature.
Conheça o ChatGPT, a tecnologia que viralizou por ter resposta para (quase) tudo
SAIBA MAIS:
Robô ‘ChatGPT’ escreve redação do Enem em 50 segundos
Quer entrar na onda e testar o ChatGPT? Veja quais tarefas do dia a dia ele consegue fazer
ChatGPT: conheça o robô conversador que viralizou por ter resposta para (quase) tudo
É possível saber se um texto científico foi gerado por IA?
A resposta da Nature é: talvez. Isso porque, para gerar a informação, o ChatGPT usa uma infinidade de textos disponíveis na internet e, com isso, pode reproduzir um padrão.
No caso de textos científicos, uma inspeção cuidadosa em palavras e termos da área poderia detectar o uso do robô na escrita da pesquisa. Além disso, ele ainda não consegue fazer citação de fontes, essenciais na construção de um artigo científico.
“Em última análise, a pesquisa deve ter transparência nos métodos e integridade e veracidade dos autores. Essa é, afinal, a base de que a ciência depende para avançar”, disse a revista.
Além da Nature, a tendência é que outras revistas científicas adotem regras semelhantes para o uso do ChatGPT.
ChatGPT, inteligência artificial criada por Elon Musk que tem resposta para tudo
Jakub Porzycki/Reuters

Deixe seu comentário sobre esta noticias

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »