Tecnologia

Google chega a acordo com Canadá e pagará R$ 360 milhões por ano a empresas jornalísticas do país


Empresa ameaçava bloquear notícias em resultados de busca do país. Acordo põe fim ao entrave envolvendo a Lei de Notícias Online do país, que obriga gigantes da tecnologia a compartilharem suas receitas de publicidade com veículos de notícias canadenses. Google
Andrew Kelly/Reuters/Arquivo
O Canadá e o Google firmaram acordo para manter exibir notícias nos resultados de pesquisas do país. O buscador se comprometeu a pagar ao todo 100 milhões de dólares canadenses por ano (cerca de R$ 360 milhões) para veículos jornalísticos do país.
Segundo fontes da agência France Presse, o governo de Justin Trudeau buscava obter 172 milhões de dólares canadenses (R$ 432 milhões).
O acordo prevê que o Google negocie com um único grupo que representaria todos os meios, o que permitiria limitar os riscos de litígio, segundo a CBC/Radio-Canada.
A decisão põe fim ao entrave envolvendo o Google, formalmente uma empresa da Alphabet, e a lei de notícias online do Canadá. A regra determina que grandes empresas de internet devem compartilhar sua receita de publicidade com veículos de notícias canadenses.
“Após semanas de discussões produtivas, tenho o prazer de anunciar que encontramos um caminho a seguir com o Google para a implementação da Lei de Notícias Online”, disse a ministra do Patrimônio, Pascale St-Onge, em comunicado.
Parte de uma tendência global para as gigantes de internet pagarem por notícias, a Lei de Notícias Online foi aprovada pelo parlamento canadense em junho. Agora, o governo finaliza as regras para divulgá-las até o prazo final de 19 de dezembro.
O Google havia afirmado que bloquearia as notícias em sua plataforma e que a lei canadense era mais rigorosa do que legislações da Europa e da Austrália. A empresa também havia alegado que poderia ficar exposta a uma responsabilidade potencialmente ilimitada com a nova regra.
Em outubro, uma entidade setorial de notícias do Canadá apoiou algumas das preocupações do Google sobre a nova lei.
A Meta, outra gigante de internet que é alvo da lei, já bloqueou o compartilhamento de notícias no Facebook e no Instagram em função de preocupações com a legislação.
LEIA TAMBÉM:
Veja quais países discutem se ‘big techs’ devem pagar por notícias exibidas no seu feed
Casas de apostas invadem sites de prefeituras em busca de ‘vitrine’ na internet

Facebook Comments Box

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »