Mundo

Financiadores, impostos, fontes obscuras e atividades ilícitas: entenda de onde vem o dinheiro do Hamas, grupo terrorista milionário


A organização religiosa transformou-se em uma máquina de terror poderosa. O Fantástico deste domingo (3) destaca como essa engrenagem toda funciona. Receita anual do Hamas é estimada em R$ 5 bilhões
No dia 7 de outubro deste ano, o Hamas, governando Gaza, realizou um ataque surpresa contra Israel, resultando em 1.200 mortes e 240 reféns. A organização que tinha sido criada décadas atrás, como uma entidade religiosa, se transformou em uma máquina de terror poderosa e milionária.
O Fantástico deste domingo (3) destaca como o grupo financia seus atos terroristas e a resistência a Israel mesmo com todas as sanções impostas ao território palestino. A origem de diferentes fontes de receitas já foi rastreada por pesquisadores e forças de segurança de diferentes países.
Esse mapa das finanças do terrorismo, inclui remessas que saem do crime organizado na tríplice fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai. (Saiba mais abaixo).
Financiamento estatal
Sandra Coelho, mestre em Estratégia explica que as grandes fontes de financiamento do Hamas serão em, em primeiro lugar o financiamento estatal e o primeiro financiador será o Irã. As estimativas mais recentes são de que o Hamas recebe de 80 a 100 milhões de dólares do país.
A pesquisadora canadense, Jéssica Davis cita um outro país doador: o Catar. Mas, nesse caso, o dinheiro chega com conhecimento da ONU e até de Israel. Durante um bom tempo, os milhões entravam em Gaza, literalmente, em malas lotadas de dólares.
“É a verba pra tocar os serviços sociais da Faixa de Gaza, fornecidos pelo governo do Hamas. É pra pagar funcionários públicos, coisas assim. E também porque o Hamas prefere dinheiro vivo, porque é mais fácil desviar”, explica a consultora de Segurança Internacional.
Impostos e taxas
Além dos doadores, o Hamas tem uma enorme receita própria porque governa Gaza e cobra os impostos e taxas, assim como todo governo. A pesquisadora destaca, porque, no caso do Hamas, isso é um problema.
“Primeiro, porque eles não são um governo democrático. A última eleição foi há mais de 15 anos. Segundo, a questão de como cobram essas taxas e impostos. Eles são governo, mas também são terroristas. E com terroristas sempre existe um elemento de coação, de extorsão. O Hamas cobra o que quer, de quem quer”, ressalta a pesquisadora.
Financiadores, impostos, fontes obscuras e atividades ilícitas: entenda de onde vem o dinheiro do Hamas, grupo terrorista milionário
Reprodução/TV Globo
Fontes obscuras
Quando se procuram outras fontes, a origem do dinheiro vai ficando mais e mais obscura. “O Hamas tem um grande carteira de investimentos em diversos países. Muitos imóveis. Eles lucram bastante com isso”, diz a pesquisadora.
Os negócios podem ser legítimos na aparência, mas controlados secretamente pelo Hamas, para escapar das sanções internacionais, e também podem ser empresas que não pertencem ao Hamas, mas apoiam o grupo.
Segundo a revista “The Economist”, este é o caso, por exemplo, da construtora de um shopping no Sudão, e de uma empresa que ergue arranha-céus em Sarjah, nos Emirados Árabes.
Entenda de onde vem o dinheiro do Hamas, grupo terrorista milionário
Reprodução/TV Globo
Criptomoedas e crime na tríplice fronteira
Por fim, existem duas fontes menores, mas importantes: investimento em moedas virtuais, as chamadas criptomoedas e também o dinheiro do crime na tríplice fronteira, entre Argentina, Paraguai e Brasil, uma região seguidamente citada, em relatórios do governo americano, como uma sedes do financiamento do terror internacional. E onde há suspeitas de financiamento ao grupo libanês Hezbollah.
“A grande maioria dessas pessoas são pessoas trabalhadoras, são pessoas que contribuem com a sociedade. Porém, você tem nestas áreas de Fronteira também movimentos criminais, que é um dos principais fatores de financiamento das bases terroristas”, destaca o presidente do Instituto de Desenvolvimento de Fronteiras (IDESF), Luciano Stremel Barros.
Financiadores, impostos, fontes obscuras e atividades ilícitas: entenda de onde vem o dinheiro do Hamas, grupo terrorista milionário
Reprodução/TV Globo
Somando todas as fontes, a pesquisadora Jessica Davis estima que o Hamas fature anualmente, 1 bilhão de dólares, cerca de R$ 5 bilhões.
“Muitos investimentos estão na Turquia. Mas a Turquia não considera o Hamas terrorista. Então fica difícil apreender esses bens. O desafio é desembaraçar essa rede e fazer a ligação do dinheiro com o Hamas. É possível, mas não acontece da noite pro dia”, diz.
Receita anual do Hamas é estimada em R$ 5 bilhões, afirma pesquisadora
Reprodução/TV Globo
Na Faixa de Gaza, o conflito significa menos verba para o Hamas, mas o conflito persiste, com Israel afirmando que a guerra não terminará enquanto o Hamas existir e o Hamas reafirmando os votos de riscar Israel do mapa.
Ouça os podcasts do Fantástico
ISSO É FANTÁSTICO
O podcast Isso É Fantástico está disponível no g1, Globoplay, Deezer, Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts e Amazon Music trazendo grandes reportagens, investigações e histórias fascinantes em podcast com o selo de jornalismo do Fantástico: profundidade, contexto e informação. Siga, curta ou assine o Isso É Fantástico no seu tocador de podcasts favorito. Todo domingo tem um episódio novo.
PRAZER, RENATA
O podcast ‘Prazer, Renata’ está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o ‘Prazer, Renata’ na sua plataforma preferida.
BICHOS NA ESCUTA
O podcast ‘Bichos Na Escuta’ está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito.

Facebook Comments Box

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »