Mundo

Naufrágio na Líbia deixa 61 migrantes mortos


Segundo os relatos dos sobreviventes do acidente, o barco transportava cerca de 86 pessoas quando afundou. Um naufrágio deixou 61 pessoas mortas na Líbia neste sábado (16), informou a Organização Internacional para as Migrações no país. Entre as vítimas, estavam mulheres e crianças.
Em uma publicação na rede social X (antigo Twitter), a Organização disse que, segundo os relatos dos sobreviventes do acidente, o barco transportava cerca de 86 pessoas quando afundou.
Os sobreviventes também contaram que o barco partiu da cidade de Zwara, que fica a cerca de 110 quilômetros da capital Trípoli, em direção à Europa. As vítimas eram da Nigéria, Gambia e outros países do continente africano.
A Organização destacou que o mar do Mediterrâneo Central “continua a ser uma das rotas migratórias mais perigosas do mundo”.
Ainda assim, milhares de pessoas atravessam o Mediterrâneo todos os anos – sendo a Líbia um dos principais locais de saída – para chegar ao continente europeu, por conta da violência que assola seus países de origem.
O porta-voz da Organização, Flavio Di Giacomo, publicou que, só neste ano, 2250 migrantes morreram no Mar Mediterrâneo. “Um número dramático que, infelizmente, demonstra que o suficiente não sendo feito para salvar vidas no mar”.
Imagem mostra naufrágio que aconteceu na costa da Líbia em 26 de maio de 2016
EUNAVFOR MED/Reuters
Conflito na Líbia
Em 2011, a Líbia foi dividida entre governos rivais após a queda de Muammar Kadhafi. A administração reconhecida pela ONU está baseada em Trípoli. No entanto, essa gestão não tem controle sobre o leste do país, que foi mais afetado pela tempestade.
Atualmente, a Líbia tem dois primeiros-ministros: Abdul Hamid Dbeibah fica em Trípoli e comanda a faixa oeste; já Ossama Hamad governa o lado leste da cidade de Benghazi.
Ambos os governos possuem apoios de países diferentes. Enquanto Trípoli tem o apoio da Turquia, Catar e Itália, o governo de Benghazi é respaldado por Egito, Rússia e Emirados Árabes.
Mesmo diante da pressão internacional, o país enfrenta dificuldades em ser unificado. Em 2021, uma eleição chegou a ser marcada, mas acabou adiada.
Diante da disputa, conflitos violentos entre grupos rivais já mataram dezenas de pessoas. Em agosto, por exemplo, um confronto entre grupos armados deixou 45 mortos em Trípoli.
A Líbia também possui grandes reservas de petróleo. No entanto, a riqueza reflete muito pouco no dia a dia da população.

Facebook Comments Box

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »