Economia

Entenda quais foram os significados de ‘pardo’ nos últimos 80 anos e como isso dificultou a identificação racial do Brasil


Termo foi incorporado como categoria oficial no Censo a partir de 1950 e é alvo de debates raciais desde então. Hoje, o IBGE considera pardo quem se identifica como: mistura de duas ou mais opções de cor, ou raça, incluindo branca, preta e indígena. Entenda como a categoria ‘pardo’ mudou nos últimos 80 anos
O número de brasileiros que se identificam como pardos chegou a 45,3% da população, segundo os dados do Censo 2022 divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado deu à categoria o posto de maior grupo racial do Brasil pela primeira vez na história.
???????? Mas o que é pardo? No último levantamento, o termo foi definido como: quem se identifica com mistura de duas ou mais opções de cor, ou raça, incluindo branca, preta e indígena.
Porém, o significado da palavra nem sempre foi esse. Desde a fundação do IBGE, em 1936, o conceito mudou de sentido diversas vezes — e houve até anos que não havia explicação exata sobre quem a categoria deveria representar (veja abaixo).
Definição do termo ‘pardo’ nos Censos
IBGE/g1
Entenda nesta reportagem quando o termo ‘pardo’ vira categoria oficial, como o significado muda ao longo dos anos e quais são os grupos que reivindicam o conceito da palavra no Censo até hoje.
Pardo como categoria residual
No primeiro levantamento realizado pelo IBGE, em meados de 1940, a maioria da população se identificou como branca:
Branco — 63,46% da população;
Preto — 14,63%;
Amarelo — 0,58%;
Pardo — 21,20%
De cor não declarada – 0,10%
“[Naquele ano], pardo era uma categoria residual”, disse Marta Antunes, coordenadora do Censo de Povos e Comunidades Tradicionais. Ou seja, quem respondesse qualquer categoria que não preta, branca e amarela, era classificada como parda.
Porém, mesmo com a abrangência da categoria, Denis Moura, autor do livro “Pardos: a visão das pessoas pardas pelo estado brasileiro”, afirmou ao g1 que as pessoas tinham dificuldade de se identificar como parda “porque elas poderiam ser relacionadas com pessoas escravizadas, e isso poderia prejudicar, por exemplo, a carreira das pessoas”.
“Essa omissão, por parte dos mestiços, pardos ou não, seria uma forma de apagar o passado, principalmente entre os pardos mais claros, visto que eles, por conta de terem traços negros ou indígenas menos acentuados, poderiam ser beneficiados com a possibilidade de atingir postos em atividades menos desvalorizadas e, inclusive, obter destaque em cargos públicos”, diz Moura.
Tanto que, nos Censos anteriores — realizados nos anos de 1900 e 1920— não foram incluídas questões sobre cor ou raça. À época, o órgão responsável pela pesquisa era o Diretoria Geral de Estatística (DGE).
Pardo vira categoria
✅ Em 1950, o termo ‘pardo’ foi incorporado como categoria oficial.
Mas, naquele ano, não houve uma definição do que significava a categoria. Os recenseadores — nome dado as pessoas que fazem as perguntas do Censo à população — apenas explicavam o que era amarelo.
“A cor amarela somente se aplica a pessoas de raça amarela (japoneses, chineses, etc. e seus descendentes). Tal cor não se aplica às pessoas que têm a pele amarelada, como as que sofrem de maleita (impaludismo, malária), amarelão, etc.
Isso porque, segundo a coordenadora do Censo de Povos e Comunidades Tradicionais, existia uma preocupação do governo sobre onde estava localizada a população asiática no país. “O governo queria fazer um mapeamento dos imigrantes [asiáticos]”, afirmou ela.
Na época, o IBGE apontou que a população era dividida em:
Branco — 61,66%;
Preto — 10,96%;
Amarelo — 0,63%;
Pardo — 26,54%;
De cor não declarada – 0,21%
Vale lembrar que indígena ainda não era categoria e quem se identificasse dessa forma era incluída na categoria parda.
Somente as áreas que eram controladas pela Fundação Nacional dos Povos Indígenas (FUNAI) tiveram a oportunidade de responder como indígenas — mas, mesmo assim, eram incluídas como pardas no final do levantamento.
Veja o panorama atual da população indígena em 4 gráficos
Branca-suja; cobre e queimada de sol
Nos anos 1970, durante a ditadura militar, as questões raciais não entraram no levantamento do IBGE. “A avaliação (do governo) era de que a distinção não se fazia necessária”, disse Marta.
Na época, porém, surgiu uma nova pergunta na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), que visava ajudar o IBGE, no mapeamento racial, já que não o instituto não fez perguntas sobre o assunto.
Contudo, diferente do Censo que tem categorias pré-definidas, as repostas puderam ser abertas. Tanto que, segundo Denis Moura, foram ouvidas respostas como:
Branca-suja;
Cor de cuia;
Pouco clara;
Sapecada;
Sarará;
Azul-marinho;
Burro quando foge;
Melada;
Morena-parda;
Café-com-leite;
Canela;
Cobre;
Queimada de sol.
“As frequentes inserções e retiradas das perguntas sobre classificação racial nos censos geraram dúvidas, principalmente, entre as pessoas pardas”, diz Moura.
Mudança no método de pesquisa
Entre os Censos de 1980 e 1990, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística decide alterar o método de pesquisa de cor e raça. Antes, o levantamento era feito via questionário base, e passou a ser por amostra.
A diferença entre os dois é que no primeiro caso, 90% da população responde à pesquisa, então era possível ter uma dimensão mais exata sobre as questões étnicas do país. Enquanto no segundo caso, apenas 10% da população responde o questionário, e o IBGE faz uma projeção dos dados populacionais.
“Quando você faz o questionário amostra, você perde a capacidade preditiva (coleta de informações)”, diz Marta.
Já em 2010 e 2022, o questionário base volta a ser o método de pesquisa do IBGE, e os dados, nas palavras de Marta, voltaram a ser mais exatos. O levantamento mais recentes aponta que:
Os pardos são 92,1 milhões, 45,3% da população. Em 2010 eram 43,1%;
Os brancos são 88,2 milhões, ou 43,5%. Em 2010, eram o maior grupo, com 47,7%;
Os pretos cresceram 42,3% na última década, e passaram a ser 20,7 milhões, ou 10,2% da população, ante 7,6% em 2010;
Os indígenas agora são 1,7 milhão, ou 0,8%, ante 0,5% em 2010
Veja abaixo o comparativo étnico-racial do Brasil dos últimos quatro Censos. Segundo o IBGE, a comparação com anos anteriores não pode ser feita porque indígena vira categoria em 1990.

Pessoas se identificam como pardas
Uma das pessoas que respondeu ser pardo no Censo de 2022 — quando o número de pardos no país ultrapassou o de brancos — foi o jornalista Arthur Roman, de 26 anos.
Ao g1, ele disse que se assumir dessa forma no Censo deixou uma sensação diferente. “Foi a primeira vez na vida que eu me declarei como pardo. Até então, sempre segui a classificação de ‘branco’ que consta na minha certidão de nascimento. Então, nesse sentido, foi uma mudança de paradigma para mim”.
“Nos últimos anos, com o surgimento de sites especializados [em questões raciais] e com aumento da disponibilidade de testes genéticos de genealogia, obtive maiores informações sobre minha ancestralidade, o que me deu mais segurança em me declarar como pardo”, contou Roman, que tem ancestralidade árabe.
Já a atriz Marília Ferreira da Cruz Novaes, de 36 anos, que também se identificou como parda Censo de 2022 — bem como no Censo de 2010 — falou ao g1 que, sempre soube se identificar racialmente.
“[Tem] pessoas que não me enxergam nem como negra (categoria que soma os pretos e pardos), nem como branca”, afirmou Marília.
Arthur Roman, de 26 anos, E Marília Ferreira da Cruz Novaes, de 36 anos
Arquivo pessoal
Ela contou também que seus familiares que se identificam como brancos sempre a chamaram de “diferente” e que ela nunca seria igual eles. Já outra parte da família dela, que se identifica como negra, também a via como diferente — e não a enxergava como branca.
“Tanto que minha mãe sempre reiterou isso (parda) em casa. [Por isso], sempre me reconheci como parda”, disse a atriz.
Expectativa para o próximo Censo e debate racial
O próximo Censo será em 2030, e a coordenadora do Censo de Povos e Comunidades Tradicionais contou ao g1 que há um debate sobre como definir a categoria. Há, no momento, quatro correntes que disputam qual pode ser o novo significado de “pardo”:
Movimento indígena nos centros urbanos – as pessoas que descendem de indígenas e não tem nenhuma ancestralidade preta, mas moram nas cidades. O grupo não se vê representado em nenhuma categoria;
Movimento pardo-mestiço – as pessoas que não possuem nenhuma ancestralidade indígena ou preta, mas não se identificam como brancos;
Movimento negro – que visa incluir o pardo na categoria de negro. Ou seja, somaria a quantidade de pretos e pardos, transformando em uma única categoria;
Movimento de parditude – grupo que se identifica como pardo, mas não acredita que essa seja uma escala para chegar no preto. O colorismo – conceito de que a cor da pele determina como uma pessoa negra é tratada – diz que quanto mais escura for a pele de uma pessoa, maior é a chance de sofrer racismo. Então, o movimento parditude deseja criar uma categoria única e não fazer parte de um coletivo.
Entenda o que é colorismo
Marta explicou que até o momento o IBGE não escolheu o que fazer com o termo. “E qualquer mudança resulta em alterações maiores do que somente o levantamento”. Isso porque, por exemplo, desde 2010, há uma padronização nos cadastros públicos e as categorias que aparecem são as mesmas do Censo — ou seja, se alterar na pesquisa, será preciso mudar em outros lugares.
De todo modo, independente da escolha que o Instituto tome em 2030, Marta acredita que a cada pesquisa haverá “um retrato mais fiel da população”.
*Com colaboração de Darlan Helder, Marina Pinhoni e Gabriel Croquer

Facebook Comments Box

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »