Tecnologia

Espuma de monóxido de carbono pode ser novo tratamento de câncer

Pesquisadores encontraram uma nova forma de aumentar a eficácia de inibidores de autofagia, uma terapia experimental para melhorar o tratamento de diferentes tipos de câncer: espuma de monóxido de carbono. A abordagem está apresentando resultados mistos, sendo mais eficaz combinada com outros medicamentos, e pode evoluir para um novo tipo de tratamento contra a doença.

Leia mais:

Tratamento do câncer

  • A autofagia é um processo de regeneração natural a nível celular, que reduz a probabilidade do surgimento de algumas doenças. Nele, o corpo recicla componentes intracelulares danificados para impedir seu acúmulo.
  • Segundo o site New Atlas, em células cancerígenas a autofagia é aumentada e inibi-la pode ajudar a tratar a doença, uma vez que impede a regeneração delas e, consequentemente, dos tumores.
  • Algumas drogas, como cloroquina e hidroxicloroquina, já estão sendo usadas como parte de terapias experimentais para aumentar a eficácia de quimioterapias.
  • No entanto, elas têm resultados mistos a depender do paciente, o que instiga pesquisadores.
Espuma de monóxido de carbono (Imagem: Carver College of Medicine/Reprodução)

Solução usando monóxido de carbono

Pesquisadores da Carver College of Medicine da Universidade de Iowa descobriram que um dos motivos para a resposta diferente na inibição da autofagia se dava pelo tabagismo. Pacientes que fumavam tinham um desempenho melhor na terapia e, consequentemente, na diminuição do tumor.

Usando estudos anteriores, eles descobriram que isso acontece porque o processo natural tem participação de moléculas com monóxido de carbono em sua composição, um componente também da fumaça do cigarro.

Então, eles focaram em como fornecer esse monóxido de carbono para não fumantes.

Demonstração do funcionamento da espuma de monóxido de carbono (Imagem: Carver College of Medicine/Reprodução)

Espuma de monóxido de carbono no tratamento do câncer

A solução foi uma espuma comestível contendo o monóxido de carbono. Para desenvolvê-la, os pesquisadores aplicaram uma técnica culinária: um sifão para bater o CO até chegar na consistência necessária. O produto final foi batizado de CO-GeM.

Eles testaram a espuma em inibidores de autofagia para câncer de próstata, pâncreas e pulmão submetidas a tratamentos com doses de bafilomicina A1 (BAF-A1), cloroquina (CQ) e Lys05.

Depois, eles a testaram para câncer de próstata e pâncreas em camundongos. Os animais foram divididos em quatro grupos: os submetidos a CO-GeM puro, CO-GeM + hidroxicloroquina, hidroxicloroquina pura e sem nenhum inibidor.

Após 21 dias, os animais que receberam CO-GeM + hidroxicloroquina tiveram uma redução significativa no tamanho do tumor, sem efeitos colaterais no peso e em outros órgãos do corpo.

O que muda no tratamento do câncer

Os pesquisadores defendem que a espuma pode ser usada para inibir a autofagia e apoiar o tratamento de câncer. Ela também se mostrou segura, mas sua aplicação efetiva dependerá da forma de administração. Eles acreditam que a espuma comestível é mais simples do que as inaladas.

Eles continuarão testando para diferentes tipos de paciente e câncer, com diferentes dosagens.

O post Espuma de monóxido de carbono pode ser novo tratamento de câncer apareceu primeiro em Olhar Digital.

Facebook Comments Box

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »