Brasil

EUA dizem que Blinken deixou claro a Lula que discorda de comparação sobre ação de Israel em Gaza

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, se reuniram nesta quarta-feira, 21., e, entre outros assuntos, discutiram iniciativas de paz na Faixa de Gaza e as eleições na Venezuela, conforme informado pela embaixada norte-americana. O encontro, que aconteceu no Palácio do Planalto e durou cerca de duas horas, contou com a presença de representantes de ambos os governos. Durante a reunião, houve discordância em relação aos comentários feitos por Lula sobre a situação em Gaza. No último domingo, 20, durante visita à Etiópia, Lula comparou a ação de Israel no enclave palestino ao Holocausto, o massacre de 6 milhões de judeus pelo exército nazista durante a Segunda Guerra Mundial. “O secretário teve a chance de discutir os comentários com o presidente Lula, no contexto de uma discussão geral sobre o conflito em Gaza, e foi claro que esses são comentários dos quais discordamos”, disse Matthew Miller, porta-voz do Departamento de Estado americano.

Após a reunião, a embaixada dos Estados Unidos divulgou um relatório destacando os principais pontos discutidos, enfatizando o compromisso dos EUA com a resolução do conflito em Gaza, incluindo esforços para garantir a libertação de reféns, aumentar a assistência humanitária e proteger os civis palestinos. Embora tenha sido a única menção feita sobre o conflito em Gaza, o encontro entre Blinken e Lula ocorreu em meio à polêmica gerada pelos comentários do presidente brasileiro durante a viagem à Etiópia.

cta_logo_jp
Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

Blinken elogiou a postura do Brasil na crise entre Venezuela e Guiana, destacando os esforços de mediação do governo brasileiro para evitar uma escalada nas tensões decorrentes de um plebiscito realizado pelo governo venezuelano para anexar a região de Essequibo, que pertence à Guiana. Apesar do plebiscito ter aprovado a inclusão de Essequibo como território venezuelano, a região continua sob posse da Guiana. Blinken também mencionou as eleições na Venezuela, programadas para este ano, e reforçou a posição dos EUA de que o regime de Maduro deve retornar ao acordo do roteiro eleitoral de Barbados para garantir eleições presidenciais competitivas em 2024, conforme comprometimento anteriormente assumido.

Facebook Comments Box

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »