Economia

Agro nacional soma 28,3 milhões de trabalhadores e equivale a 26,8% do total de ocupações no Brasil, diz CNA/USP


Levantamento do Cepea-USP, em Piracicaba (SP), e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) indica que a população ocupada no setor ganhou 341 mil pessoas em um ano.
Divulgação
O número de trabalhadores do agronegócio nacional somou 28,34 milhões em 2023. O número equivale a 26,8% do total de ocupações no Brasil no ano passado. Esse é um recorde registrado se considerada a série história de levantamentos no setor, desde seu início, em 2012.
O estudo é feito pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) em parceria com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq, o campus da Universidade de São Paulo (USP) em Piracicaba (SP).
???? Receba no WhatsApp notícias da região de Piracicaba
A população ocupada no agronegócio cresceu 1,2%. Em número absolutos, 341 mil pessoas de 2022 para 2023. Segundo pesquisadores do Cepea/CNA, o aumento foi impulsionado, principalmente, pelos crescimentos dos contingentes empregados nos agrosserviços, com aumento de 772 mil empregados. A alta equivale a 8,4% na quantia de pessoas ocupadas.
No segmento de insumos, a elevação foi de 5,1%, equivalente a 14,54 mil pessoas.
“O avanço em ambos os segmentos, por sua vez, é reflexo do excepcional desempenho da produção dentro da porteira, o que estimula os segmentos a montante e a jusante no agronegócio”, explica o Cepea.
População ocupada no agronegócio cresceu 1,2%. Em número absolutos, 341 mil pessoas de 2022 para 2023.
Reprodução
Queda na agropecuária
Por outro lado, a população ocupada na agropecuária caiu 5%, com perda de 432,99 mil pessoas entre 2022 e 2023.
Os pesquisadores do Cepea indicam que esse cenário está atrelado a retrações observadas na horticultura, cafeicultura, no grupo cereais, bovinocultura no cultivo de laranjas, na produção florestal e nas atividades denominadas “outras lavouras” e “outros animais”.
No segmento agroindustrial, a população ocupada manteve-se relativamente estável.
“Neste caso, observaram-se avanços nas agroindústrias pecuárias, impulsionados pelas indústrias de abate e de laticínios, mas recuos nas agroindústrias agrícolas, pressionadas pelas quedas no número de pessoas atuando nas indústrias de açúcar, etanol, café, óleos e gorduras, massas e outros, têxteis de base natural, vestuários e acessórios e produtos e móveis de madeira”, especifica o Cepea.
Perfil
Entre 2022 e 2023, o aumento da população ocupada no agronegócio foi puxado por empregados, sobretudo com carteira assinada, o que indica o aumento da formalização do emprego, e por trabalhadores com maior nível de instrução, com ensino médio e superior.
Essa tendência, segundo o Cepea, é verificada no setor desde o início da série histórica.
PIB do Agro

Mais Agro
O Produto Interno Bruto (PIB) do Agronegócio Brasileiro, calculado pelo do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq-USP, caiu 1,37% no terceiro trimestre de 2023, acumulando queda de 0,91% nos primeiros nove meses do ano.
O desempenho do agronegócio no terceiro trimestre foi afetado pelo recuo dos preços em todos os segmentos. – ????Leia mais, abaixo.
Com base nesse desempenho parcial, o PIB do setor pode alcançar R$ 2,62 trilhões em 2023, o que corresponderia a 24,1% do Produto Interno Bruto brasileiro.
O relatório aponta que até o trimestre passado, o setor vinha em um processo de recuperação da queda observada em 2022. A estimativa é feito pelo Cepea em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).
Agro 5.0
Freepik
Recuo dos preços
O desempenho do agronegócio no terceiro trimestre foi afetado pelo recuo dos preços em todos os segmentos, segundo os pesquisadores do Cepea.
“O resultado só não foi mais desfavorável devido ao desempenho de safra recorde no campo e ao crescimento na produção pecuária, laticínios e volume de abates. Esses fatores, por sua vez, resultaram em um aumento na demanda tanto para os segmentos de insumos quanto para os agrosserviços”, explica o Cepea.
Entre os segmentos do setor, quando se compara o segundo e o terceiro trimestres de 2023, o PIB registrou quedas para os insumos, com baixa de 7,12%; segmento primário, que registrou recuo de 1,84%; agroindústrias com diferença negativa de 0,61%) e para os agrosserviços, com baixa de -0,61%, conforme o relatório.
Desempenho dos insumos agrícolas e pecuários foi afetado pela queda do valor bruto da produção das indústrias do segmento, aponta Cepea/CNA.
Crédito: Ewerton Alves/Neomarc
Insumos
O desempenho dos insumos agrícolas e pecuários foi afetado pela queda do valor bruto da produção das indústrias do segmento.
O resultado ocorreu devido à redução nos preços de fertilizantes, defensivos e rações ao longo do terceiro trimestre do ano, somadas à menor produção para defensivos e máquinas agrícolas.
Pecuário e agrícola
Pela perspectiva dos ramos do agronegócio, os cenários foram de redução para o agrícola (-1,05%) e para o pecuário (-2,22%) no terceiro trimestre de 2023.
No ramo agrícola, o PIB recuou para os insumos (-8,46%), para a agroindústria (-0,92%) e para os agrosserviços (-0,97%) e apresentou modesto crescimento para o primário (0,79%).
No ramo pecuário, observou-se um ligeiro avanço no PIB para a agroindústria (0,79%) e para os agrosserviços (0,38%), e recuou para os insumos (-3,06%) e para o primário (-6,22%).
Fazendas da região trabalham com produção de leite
Reprodução/TV TEM
Primário
No primário, destacaram-se significativas reduções nos preços de importantes culturas, como:
algodão
café
milho
soja
trigo
boi gordo
Frango vivo
leite
Nas agroindústrias de base agrícola, ressalta-se as quedas nos biocombustíveis, produtos de madeira, óleos vegetais e na indústria do café, entre outros.
“Nas de base pecuário, as cotações mais baixas impactaram principalmente as indústrias de laticínios e de abate e preparação de carnes e pescados”, exemplifica o Cepea.
Afinal, o que é o PIB do Agronegócio?
A professora da Esalq e pesquisadora do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, Nicole Rennó Castro, explica, em publicação no site do Cepea, que para calcular o PIB do Agro, são usadas informações secundárias e oficiais do IBGE.
“O PIB do Agro é um conceito mais amplo e abrangente que o de agropecuária, que engloba também atividades econômicas de outros setores de atividade, indústria e serviços. Especificamente, o agronegócio é definido como um setor econômico com ligações com a agropecuária”, explica.
LEIA MAIS
Soja, carne, café, suco de laranja: veja os produtos em que o Brasil é líder em exportação no mundo
Milho registra maior volume de exportação de grãos no 1º semestre de 2023, aponta estudo da USP
Maior oferta, baixa demanda e tensões geopolíticas: pesquisa da USP aponta motivos para quedas nos preços de derivados da cana
O setor envolve a produção de insumos para a agropecuária, a própria agropecuária, as agroindústrias de processamento dessas matérias-primas e a distribuição e demais serviços necessários para que os produtos agropecuários e agroindustriais cheguem ao consumidor final.
“O setor “agronegócio” não é definido nas classificações de atividades econômicas oficiais adotadas pelos órgãos responsáveis pelas contas nacionais dos países (como o IBGE no Brasil), e, por isso, não há estatísticas oficiais sobre o PIB (ou outros agregados, como o emprego) desse setor”, acrescenta a pesquisadora em artigo publicado no site do Cepea.
“É importante enfatizar que o Cepea apenas aplica aos dados nacionais um conceito que foi definido e é entendido, naturalmente com certas diferenças, internacionalmente”, conclui.
VÍDEOS: tudo sobre Piracicaba e região
Veja mais notícias da região no g1 Piracicaba

Facebook Comments Box

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »