Brasil

Israel bombardeia Faixa de Gaza e população abandona Rafah

Israel bombardeou nesta sexta-feira (10) diversos pontos da Faixa de Gaza, em particular na cidade de Rafah, no extremo sul da região. A cidade abriga quase 1,4 milhão de palestinos, a maioria deslocados pela guerra de outras áreas da Faixa, o que provoca, segundo a ONU, o temor de um “banho de sangue”. Desde segunda-feira (6), mais de 100.000 pessoas fugiram da cidade para procurar refúgio em outras áreas do território depois que Israel ordenou a evacuação da zona leste da localidade.

Disparos de artilharia israelense contra Rafah foram observados nesta madrugada em Rafah e testemunhas também relataram bombardeios e combates na Cidade de Gaza, no norte do território palestino. Israel reportou que quatro soldados foram mortos durante os combates ao norte da região nesta sexta-feira (10).

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ameaçou suspender o envio de alguns armamentos a Israel caso o país inicie uma grande ofensiva contra Rafah. “Se precisarmos ficar sozinhos, ficaremos. Como já havia afirmado, se for necessário, vamos combater com unhas e dentes”, respondeu o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. Ontem, uma rodada de negociações indiretas terminou sem acordo no Cairo, onde os mediadores buscavam uma trégua entre Israel e o movimento islamista palestino após sete meses de guerra.

Ataques recentes

O primeiro-ministro israelense considera necessária uma ofensiva terrestre em Rafah, onde, segundo ele, estão os últimos batalhões do Hamas. Israel executa desde terça-feira incursões no leste de Rafah e tomou o controle da passagem de fronteira com o Egito, crucial para a entrada de ajuda humanitária. O Exército israelense afirmou que prossegue com a “operação antiterrorista limitada” em algumas áreas de Rafah.

Agências da ONU alertaram para as consequências do fechamento da passagem de Rafah, por onde entrava todo o combustível utilizado em Gaza, e da passagem de Kerem Shalom, reaberta na quarta-feira após três dias de bloqueio.

A diretora do Unicef, Catherine Russell, destacou que se a entrada de combustível não for permitida, “as consequências serão sentidas quase imediatamente”. “As incubadoras para bebês prematuros ficarão sem energia elétrica, crianças e famílias ficarão desidratadas ou consumirão água imprópria e os esgotos transbordarão, propagando doenças”, disse.

Segundo o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, uma ofensiva terrestre israelense em Rafah provocaria uma “catástrofe humanitária épica”. “Quase 30.000 pessoas fogem da cidade a cada dia”, afirmou o diretor do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) para Gaza, Georgios Petropoulos.

Petropoulos explicou que “a maioria destas pessoas teve que se deslocar cinco ou seis vezes” desde o início, em outubro, do conflito entre Israel e Hamas, que governa Gaza desde 2007. Algumas pessoas caminham até Khan Yunis, uma cidade em ruínas que fica alguns quilômetros ao norte, enquanto outras não sabem para onde seguir.

Saiba mais sobre a guerra

A guerra começou em 7 de outubro de 2023 com o ataque sem precedentes do Hamas no sul de Israel, que deixou mais de 1.170 mortos, a maioria civis. Os milicianos islamistas também sequestraram mais de 250 pessoas no ataque. Após a troca de reféns por prisioneiros palestinos em uma trégua em novembro, 128 pessoas permanecem em cativeiro em Gaza, das quais acredita-se que 36 morreram, segundo as autoridades de Israel.

Em retaliação, Israel iniciou uma ofensiva que já deixou 34.904 mortos em Gaza, a maioria civis, segundo o Ministério da Saúde do território governado pelo Hamas. Nos últimos dois dias, os países mediadores nas negociações (Catar, Egito e Estados Unidos) tentaram concretizar um pacto que permitiria a libertação de reféns israelenses e evitaria um ataque a Rafah.

O movimento islamista, que aceitou na segunda-feira a proposta apresentada pelos mediadores, afirmou em uma carta a outros grupos palestinos que Israel rejeitou a oferta. “Consequentemente, a bola está agora totalmente com a ocupação”, afirma o texto do Hamas, grupo considerado terrorista por Israel, Estados Unidos e União Europeia.

Segundo uma fonte do movimento palestino, a última proposta estabelecia uma trégua de três fases, cada uma delas com 42 dias de duração. Também incluía a retirada de Israel de Gaza e uma troca de reféns por prisioneiros palestinos, visando um “cessar-fogo permanente”. No entanto, Israel respondeu que a oferta estava “longe das suas exigências” e reiterou sua oposição a um cessar-fogo permanente antes de uma vitória contra o grupo islamista.

*Com informações da AFP

Facebook Comments Box

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Translate »